Golegã é uma vila portuguesa pertencente ao Distrito de Santarém.

É sede de um pequeno município com 84,32 km² de área e 5 913 habitantes, subdividido em 3 freguesias. O município é limitado a nordeste pelo município de Vila Nova da Barquinha, a leste e sueste pela Chamusca, a oeste por Santarém e a noroeste por Torres Novas e pelo Entroncamento.

As freguesias da Golegã são as seguintes:

·         Azinhaga

·         Golegã

·         Pombalinho

É conhecida pela sua feira e pelos seus cavalos lusitanos.

 

Golegã, a Capital do Cavalo

A Golegã há muito que passou a ser a Capital do Cavalo. O dia de São Martinho de Feira, que foi, tradicionalmente, o dia 11 de novembro, passou ao ser mais belo e único espetáculo equestre público que se realiza a nível gratuito entre nós. O programa de provas é muito extenso e variado: Ralies, Raids, Jogos Equestres, Campeonatos, Maratona de Carruagens, Exibições, são alguns dos mais belos espetáculos que na Golegã se realizam na sua apresentação do cavalo. E para complemento da festa justificando o adágio popular que "Pelo São Martinho prova o vinho", não faltarão a água-pé e as sempre apetecidas castanhas assadas.

Há uma década a Golegã atribuiu um espaço próprio dedicado à égua- EXPO-ÉGUA, que decorre já tradicionalmente durante o mês de maio. O seu percurso vem sendo demonstrativo da grande deferência dos Criadores de cavalos pela égua. Além da já habitual Romaria a São Martinho, expressão da cultura local, ato de fé traduzido numa peregrinação a cavalo na qual os Romeiros com a sua indumentária, que lhes confere uma identidade própria, partem do Arneiro da Feira, caminhando até um lugar tornado sagrado, na presença da figura de São Martinho.

Por uma semana, a cidade torna-se o centro universal do cavalo e todas as pessoas em fiéis devotas deste belo animal. A feira atrai também pessoas de toda a Europa ansiosas para se divertir e aprender mais sobre o Cavalo Lusitano.

 

Feira do Cavalo da Golegã

A Golegã e a Coudelaria Veiga alimentam-se mutuamente, a mais importante coudelaria de Portugal e a cidade portuguesa dos cavalos. Coudelaria com sede na Quinta da Broa, Azinhaga do Ribatejo, fundada há 180 anos por Rafael José da Cunha, o denominado Príncipe dos Lavradores Portugueses. Por herança familiar, a coudelaria veio a ser herdada por Manuel Tavares Veiga, sobrinho bisneto de Rafael José da Cunha.

O trabalho que desenvolveu na coudelaria foi notável, podendo ser justamente considerado o iniciador do novo ciclo do ginete lusitano em Portugal. Foi selecionando animais cujas características morfológicas e anímicas entendeu melhor corresponderem à funcionalidade guerreira exigida aos cavalos de toureio. Depois da morte do Eng. Manuel Tavares Veiga, os seus netos Manuel e Carlos Tavares Veiga e o seu bisneto Manuel de Castro Tavares Veiga souberam manter a coudelaria com a qualidade inicial.

De então para cá, vem levando a cabo um trabalho de seleção das éguas com base no modelo, na genealogia, na qualidade dos produtos fornecidos e na análise das suas características funcionais.